29 de ago de 2008

Caiobá, onde os fracos não tem vez...

O título pode parecer meio elitista, mas quem já teve a oportunidade de encarar os boulders de Caiobá sabe que isso é verdade. O limão começa logo na chegada, que dependendo da maré já faz voce pensar duas vezes em ir até lá.

Os boulders de Caiobá estão localizados em uma peninsula-ilha (eu faltei nessa aula de Geografia, nem sei se isso existe), o que significa o seguinte.

Se a maré estiver baixa, voce passa andando na areia e sobre pequenos blocos cheio de craca.

Se a maré tiver subido e voce tiver menos de 1,80, prepare-se. Será no mínimo engraçado. (para seus amigos, é claro!). Para completar, se voce ainda estiver em Julho, vai ter o prazer de se molhar até o pescoço nas águas aquecidas do Sul. A dica é levar sempre a tábua de marés, e tentar encaixar a sua vontade de escalar com os horários de baixa.

Início da Travessia, no melhor estilo lata-d´agua-na-cabeça. Na frente vai Carlera, Bele e eu no final.

A dúvida fica sempre entre ir mais para a esquerda, e tropeçar nas pedras, ou ir para a direita e se afogar.





Eu não estava brincando quanto a ter menos de 1,80. Belezinha ja comeca a engolir água entre uma onda e outra.



Esse é o ponto crítico da travessia.Além de ser o ponto mais fundo da travessia, é onde as ondas passsam com mais força por cima das pedras.



Numa tentativa de parar de engolir água, bele se arrisca em direção as pedras e acaba se dando mal. As ondas desequilibram o cidadão e as pedras, na altura da canela, fazem o resto do serviço.


Resultado - banho no equipamento e belos cortes nas canelas e nos braços, daqueles que demoram semanas para cicatrizar...


Fim da travessia!




Um dos segredos dessa travessia é entrar na agua de meia (da pra ver o meu lindo modelito sunga e meia). Com ela você pode pisar sem problemas nas cracas, e não se preocupar em escorregar. O Bele estava de papete, o que contribuiu para os escorregões.



Caiobá lembra bastante Ubatuba, principalmente a pedra do Ostras, a diferença é o tamanho do teto e as viradas, que são bem delicadas por lá.



Essa é a pedra princial de Caiobá. existem alguns outros boulders espalhados pela ilha, mas o grosso está aí. São X boulders, de V3 (apenas 1) a V12, contando 3 V10´s e alguns projetos.

O local foi desenvolvido por Carlos "Carlera" Mitchel, hoje morador honorário e São Bento. Foram dezenas de viagens a caioba, muitas vezes sozinho, para malhar os projetos. Hoje em dia dá até nervoso escalar com ele por lá. O cara resmunga que tá cansado, de ressaca, mas passeia em todos os boulders...Impressionante!

Mas nessa viagem, pelo menos um boulder custou a sair para ele, o Zen (V11). O Carlera ainda tentou me convencer que o boulder era só V10, mas eu fingi que não ouvi...Seguem as fotos...





E o vídeo.





Outro boulder. Gosma Derretida V8

E o video (com direito a preguiça na hora da virada)



Para completar, um dos boulders mais bonitos do lugar, O Cor e Veia (V11), com uma entalada de dedo cruel na mão esquerda, cruzando em uma pinça praticamente inexistente! É muita fe no calcanhar!



E pra ninguem falar que somos machistas, ái vai a Flora detonando Johny Block V6, um dos poucos boulder mais acessíveis do lugar!



Abraços

Linha

Um comentário:

João Ricardo disse...

Podem fazer um video bem produzido com essas imagens, igual ao que vcs fizeram no escalada brasil.....
abraços
parabens pelo blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...